Segundo Ano


Segundo Ano – Regime Totalitario (nazismo)

A liberdade de expressão é a maior arma que “possuímos”, temos esse direito assegurado pela constituição, entretanto a “liberdade” tem ligação direta com a educação, pois agir a partir do senso comum é apenas “expressar”, entretanto quando possuímos as varias informações sobre aquilo que falamos, podemos articular diversos pensamentos, fazer ponderações e adquirir novos conhecimentos.

Eu como professor, percebo a juventude do nosso povo desejosa de educação para o usufruto da LIBERDADE de expressão, de pensamento, crença religiosa, enfim, liberdade nas escolhas!

O anacronismo de certos textos podem causar equívocos destrutivos, Hitler escreveu pensou e agiu conforme um ditador comum de sua época, como ele muitos outros houveram, Vargas no Brasil , Mussolini na Itália, etc…

É uma incoerência regredir a conceitos ultrapassados de grupos extremistas, tentar reviver os ódios de séculos atrás demonstra uma fragilidade moral e intelectual que deve ser suprida com o conhecimento do passado de forma critica e reflexiva.

A liberdade de pensamento, não justifica o pensamento anti-semita, que ainda hoje causa muitas tragédias, podemos citar o caso de Israel como exemplo, onde palestinos e judeus lutam uma guerra ideológica, política, racista e econômica, baseados somente nas origens de cada lado.

Nos regimes totalitários que estamos estudando esse tipo de pensamento está muito presente, no nazismo essa política era muito mais explicita e acabou deixando profundas chagas na sociedade mundial, falando tanto dos mortos durante o regime e como também da atividade de grupos neonazistas ainda hoje.

Uma das principais armas que Hitler usou para atingir seus objetivos foi a propaganda de forma maciça. Nas escolas o tom era disciplinar instrutivo e pedagógico, nas fabricas a propaganda fazia apologia sobre as influencias estrangeiras e ganhava ares políticos e econômicos e para os mais velhos se recorria de forma nostálgica ao passado germânico.

O texto a seguir tem objetivo acadêmico, para o estudo do movimento nazista nas escolas da Alemanha durante a ditadura de Adolf Hitler, por isso deve ser lido com a compreensão de que a população alemã estava vivendo em um contexto de pós primeira guerra, a auto-estima baixa e seu país destruído, Hitler como ditador tinha o objetivo de engrandecer a nação Alemã e reerguer a economia.

Este surpreendente livro usa claramente uma metáfora religiosa, é quase um “Catecismo Alemão” para a instrução dos jovens alemães. Ele ultrapassa os 25 pontos do programa do Partido Nazista, Eu traduzir aqui a secção relativa à raça. Este panfleto foi aparentemente muito utilizado nas escolas nazistas.





O alemão Nacional Catecismo

A fonte: Werner maio, Deutscher Nacional-Katechismus 2a edição (Breslau: Verlag Heinrich von Handel, 1934), pp. 22-26. 22-26.



catech.jpg3. 3. Sobre raça e População (Volk)

O que é raça?

Um grupo de seres vivos é uma raça, isso, quando os seus membros individuais partilham a mesma aparência e herança genética.

[As expectativas de que os achados do seqüenciamento do genoma humano dariam fundamentação científica às classificações raciais não se confirmaram e os dados divulgados tornaram popular a idéia de que a espécie humana é geneticamente homogênea quando comparada

à maioria das outras espécies (Do Races Differ? Not Really, DNA Shows – The New York Times, August/2000).]



O que posso compreender como “aparência e herança genética”?

Características físicas que são passadas ao longo das gerações: a cor da pele, a forma do crânio e, em particular, características faciais (forma do nariz, da boca, lábios), etc



Quais são as principais raças?

Branco, preto e amarelo.



Como se pode dizer que os povos são racialmente relacionadas?

Em primeiro lugar, a partir de suas línguas, em que muitas palavras são os mesmos ou similares.

Por exemplo:

Greek Grego

Latin Latim

German Alemão

French Francês

English Inglês

patér

pater

Vater

père

father (pai)

méter

Mäter

Mutter

mère

mother (mãe)

egó

ego

ich

je

I (Eu)

A raça, também, é evidente nas produções culturais similares (sagas, lendas e costumes.)



Quais foram e são as características específicas da raça nórdica?

Coragem, bravura, capacidade criativa e o desejo de fidelidade.

O povo alemão é, juntamente com o Inglês, dinamarquês, norueguês e sueco, o mais puro dos povos europeus. No que se refere à pureza da língua, os povos escandinavos estão em primeiro lugar. Seu estilo gótico script é particularmente bonita, e ela deve ser mantida.

[O estranhamento é claramente utilizado como critério de puricidade, ou seja, o mais puro é aquele que mais se assemelha ao “eu” ou aquilo que eu declaro como padrão ou familiar. Em outras palavras somente a eugenia é pensada a partir do “eu”]



Qual raça deve ser odiada pela raça Nacional Socialista?

A raça judaica.

[Só o conhecimento dos judeus ofereceu-me a chave para a compreensão dos propósitos íntimos e, por isso, reais da social-democracia. Quem conhece este povo vê cair-se-lhe dos olhos o véu que impedia descobrir as concepções falsas sobre a finalidade e o sentido deste partido e, do nevoeiro do palavreado de sua propaganda, de dentes arreganhados, vê aparecer a caricatura do marxismo.

Hoje é-me difícil, senão impossível, dizer quando a palavra judeu pela primeira vez foi objeto de minhas reflexões. Na casa paterna, durante a vida de meu pai, não me lembro de tê-la ouvido. Creio que ele já via nessa palavra a expressão de uma cultura retrógrada. No curso de sua vida, ele chegou a uma concepção mais ou menos cosmopolita do mundo combinada a um nacionalismo radical que, também, exercia seus efeitos sobre mim.

Na escola também não encontrei oportunidade que me pudesse levar a uma modificação desse modo de encarar as coisas, que me havia transmitido meu pai.

É verdade que, na escola profissional, eu havia conhecido um jovem judeu que era tratado por nós com certa prevenção, mas isso somente porque não tínhamos confiança nele, devido ao seu todo taciturno e a vários fatos que nos haviam escarmentado. Nem a mim nem aos outros despertou isso quaisquer reflexões.

Só dos meus quatorze para os quinze anos deparei freqüentemente com a palavra judeu, ligada em parte a conversas sobre assuntos políticos. Sentia contra isso uma ligeira repulsa e não podia evitar essa impressão desagradável que, aliás, sempre se apoderava de mim quando discussões religiosas se travavam na minha presença.

Nesse tempo eu não via a questão sob qualquer outro aspecto.

Em Linz havia muito poucos judeus. Com o decorrer dos séculos, o aspecto do judeu se havia europeizado e ele se tornara parecido com gente. Eu os tinha por alemães, Não me era possível compreender o erro desse julgamento, porque o único traço diferencial que neles via era o aspecto religioso diferente do nosso. Minha condenação a manifestações contrárias a eles, a perseguição que se lhes movia, por motivos de religião como eu acreditava, levavam-me à irritação, Eu não pensava absolutamente na existência de um plano regular de combate aos judeus. HITLHER, A. Mein Kampf. In: FRANCA, Leonel. A Crise do Mundo Moderno. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1942.]



Por quê?

O objetivo do judeu é roubar a humanidade. Sempre que ele vem, ele destrói principalmente a cultura. Ele não é um espírito criativo, evidentemente é um espírito destrutivo.



Como é evidente?

O trabalho dos povos ariano mostra um verdadeiro espírito criativo. O judeu são principalmente comerciantes, como são por milênios. Não há trabalhadores judeus na construção da Alemanha, não há Smiths, nenhum judeu é mineiro ou marinheiro.

Quase todas as grandes invenções foram feitas por arianos.



Como os judeus subjugam nosso povo?

Eles emprestoram dinheiro ao nosso povo e nos fizeram pagar juros. Milhares e milhares de alemães foram feitas pelos miseráveis pelos judeus. Os agricultores cujos terrenos tinham sido da família há mais de 100 anos, foram expulsos de suas terras por não poderem pagar os juros.

[Em vida os usurários eram sim rejeitados por muitos. Possuíam a companhia das prostitutas, atividade esta também tida como pecaminosa e imoral. E dos homens que lecionavam, pois estes também eram taxados de ladrões e pecadores, pois vendiam o conhecimento. Essas três profissões no período em questão foram brutalmente condenadas e consideradas indignas, pois não dependiam do seu próprio esforço para serem remunerados. Sendo que nesta época as profissões que desfrutavam do reconhecimento da igreja eram os artesões, sapateiros, ferreiros, tintureiros, cozinheiro e outras atividades que mereceriam ser recompensados, pois se tratava de uma retribuição pelo seu próprio esforço e trabalho. Diferentemente das demais, que vendiam aquilo que não lhes pertencia, como o tempo, o corpo e o conhecimento. http://www.historiaehistoria.com.br/img/spacer.gifhttp://www.historiaehistoria.com.br/img/spacer.gifROSA, A. L. Fortuna: Pecado e Sucesso na Idade Média: uma breve análise sobre a prática da usura na Europa entre os séculos XI – XIII. http://www.historiaehistoria.com.br/img/spacer.gifhttp://www.historiaehistoria.com.br/img/spacer.gifFortuna: Pecado e Sucesso na Idade Média: uma breve análise sobre a prática da usura na Europa entre os séculos XI – XIII. http://www.historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=artigos&id=42, acesso em 03/08/2009]



O que aconteceu com os agricultores?

Eles tinham que migrar para as cidades, se desfazendo da terra que lhes pertencia, deixando o seu trabalho que por tempos deu propósito e significado as suas vidas, pois agora eram vítimas de pobreza e miséria. Com a cabeça baixa e suas almas esmagadas, aceitaram doutrinas judaica que negavam a Pátria e ia contra tudo o que era nacionalista.

O judeu tinha alcançado o seu objectivo.



Qual a culpa do povo judeu?

Enquanto o povo alemão estava lutando uma batalha de vida e morte durante a Guerra Mundial, o povo judeu se infiltrou em nossas casas, introduzindo a traição em nosso meio. A Revolução novembro de 1918 que trouxe a Alemanha ao colapso foi trabalho de judeu.

Em inúmeros jornais na Alemanha e no exterior, os judeus jogaram o povo alemão na lama, calunia e fazendo intriga com, agora, nossos inimigos

Os judeus corromperam jovens alemães com maus livros,escarnecendo a verdadeira literatura e música alemã, substituindo-a por ungermanic music. Em todo o lado, sua influência foi destrutiva.



O que pode profanar nossa raça?

Esquecer o nosso espírito e nosso sangue, negligenciar ou desconsiderar a nossa natureza. Assim sendo um homem alemão não pode ter uma mulher judia como sua esposa, e aqueles que assim fazem devem ser excluídos da comunidade do povo alemão.



O que deve o movimento Nacional Socialista fazer?

Adolf Hitler disse: “Deve-se tomar cuidado, pelo menos em nossa nação, onde o inimigo mortal (o Judeu) é conhecida. A batalha contra o judeu deve ser vista como o símbolo de um brilhante futuro, pois mostrará aos outros povos o caminho para a salvação da humanidade ariana “.



Que povo europeu ignora a questão racial?

A França, pois ela aceitou um grande número de negros em seu exército. Deu-lhes os mesmos direitos políticos, como se fossem brancos. Assim, pode acontecer que pretos oficiais comandem os brancos. Negros e marroquinos lutaram contra a Alemanha na Primeira Guerra Mundial. Depois da guerra, negros estupraram jovens mulheres alemãs, na cidade da Renânia.

Alemães – nunca esquecer isso!



O que seu povo deve significar para você?

Você é feito do nosso povo, meu filho, a sua é a alemã e seu pai também, dessa forma você pertence a Alemanha, assim como todas as partes do seu corpo pertencem a você. Você é um elemento em uma grande cadeia, uma parte do todo. Sozinho, você não é nada, mas quando você vive para o seu povo você é tudo. O destino do povo é o seu destino, as lutas e os sofrimentos, suas alegrias e suas misérias, são tuas. Todos os alemães são seus irmãos. Você não pode nem pensar em fazer algo que prejudique o seu povo. A história do seu povo é grande e gloriosa, você pode ser orgulhoso dela. Os dias dos anos de traição e de vergonha que a Alemanha teve de suportar entre 1918 e 1933 são um alerta para você. Você tem de trabalhar para a ressurreição de sua Pátria.

[A idéia de unidade que supera o individuo, ao mesmo tempo que inclui a todos exclui aqueles que não aderem ao movimento ou pensamento, fazendo desses inimigos da maioria. Idéia muito bem ilustrada no filme The Wave que vimos na sala]



A grandeza do seu povo te chama a fidelidade! Nunca se esqueça que Frederick o Grande e Bismarck foram os seus irmãos, e são os heróis da Guerra Mundial, que dormem em solo estrangeiro ou nas profundezas do mar! Há guerra memoriais nas ruas das cidades e dos mercados das aldeias chamando por você. Nunca se esqueça que nós alegremente derramaremos o nosso sangue por ti, pela Alemanha de solo sagrado e pelo bem deste grande povo!

[Depois da doutrina de lavagem cerebral, onde são apresentados “motivos” há convocação a militância, a ação]

http://www.calvin.edu/academic/cas/gpa/catech.htm

2 comentários

Filed under 1

2 responses to “Segundo Ano

  1. variantes verdades

    joão, achei show do bola o blog e os textos, mas acho que cabe dois próximos textos, um mostrando a diferença entre o "nacional socialismo" e o socialismo marxista, uma vez que eles eram os dois opostos, mesmo em alguns casos "União Soviética" o maldito Stalin ter conseguido deterpar tudo e botar tudo no mesmo saco. Outro ponto acho que é a questão das perseguições nazistas restrita a judeus, mas e os ciganos, homossexuais, deficientes fisicos e mentais, negros e não integrantes do partido num geral. além de um repensar em se3 referiar a "judeu", pois judeu é uma religião, sendo assim deveriamos reduzir as pessoas a sua religião??? coisas interessantes da gente pensar……

  2. Priscila

    meu caro, parabéns pela iniciativa, muito legal mesmo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s